EcoLLOgia

18/05/2010

Ello Flex Brasil, possui em sua “estrutura de comportamento”, uma enorme preocupação voltada para o meio ambiente, na qual incentiva toda sua equipe a participar de atividades relacionadas a conscientização da importância da preservação da natureza e sustentabilidade.

Atitudes concretas como economizar água, energia, papel, etc… já se tornaram um hábito no dia a dia de sua equipe.

É por meio deste meio de comunicação que a EcoLLOgia quer compartilhar com todos sua preocupação com o meio ambiente inserindo notícias, vídeos, fotos, dicas e tudo mais que a internet permitir.

clique para acessar: http://ecollogia.wordpress.com

Anúncios

Ello Flex Braaasiiiiiiilllllllllll

13/05/2010

Qualquer ser humano já nasce campeão, afinal, naquela corrida doida que tivemos para encontrar o óvulo, fomos os primeiros, no máximo o que pode ter acontecido é um empate (Gêmeos).

Ser brasileiro, faz de você uma espécie de  “mais campeão ainda”, afinal o Brasil é o único país que disputou todas as Copas e o que a venceu mais vezes, foram cinco títulos, contra quatro da Itália, três da Alemanha, dois da Argentina e Uruguai e um da França e Inglaterra.

TRAZ O HEXA BRASIL!

Equipe Ello Flex Brasil



Parceria em prol dos animais!

10/05/2010

Saga de família de porcos adotada pela Surya e Ello Flex.


Porca e seus oito filhotes, que eram mantidos irregularmente em criadouro, são adotados pela Surya Brasil e Ello Flex.
A saga da família de porcos que fugiu de um criadouro e foi recolhida pelo Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) terá um final feliz. No final de abril, a família de suínos foi encontrada na Rodovia Francisco Morato, após terem fugido do criadouro. Desde então, a família está sob a guarda do CCZ, órgão responsável pelo controle de populações de animais domésticos.
A Surya Solidária – programa de responsabilidade social da Surya Brasil dedicada a ações sociais e de proteção animal – tomou conhecimento do fato e, temendo a possibilidade de maus tratos ou de que os porcos pudessem ser mortos para consumo, resolveu intervir para a destinação adequada dos animais. Pois é necessário um adotante especial para esse tipo de animal, que precisa de espaço e cuidados específicos.
A família de porcos será encaminhada hoje para o sítio de um fornecedor da Surya Brasil. Eduardo Lima, proprietário da Ello Flex Brasil, empresa do ramo gráfico que produz rótulos e etiquetas, disponibilizará um espaço em seu sítio em Pedra Bela, interior de São Paulo, para que os animais sejam criados livremente, sob os cuidados da Surya Brasil, que fica responsável pelos custos com alimentação e tratamento veterinário.

Para Clélia Angelon, presidente e fundadora da Surya Brasil, a conquista da liberdade pelos porcos é também simbólica. “É uma demonstração real da vitória do direito à vida e do direito dos animais”, diz Clélia. “Respeitar os direitos dos animais significa valorizar a inter-relação entre todos os seres vivos e o nosso planeta”, diz ela. E para comprovar essa perfeita interação e reduzir o impacto ambiental, o tratamento aos porcos inclui a utilização de biodigestores que capturam o metano gerado pelos dejetos dos animais e o aproveitam para geração de energia.
“Partilhamos com o reino animal e vegetal o dom da vida, que é o bem mais precioso a ser preservado. Durante milhares de anos, o homem matava os animais para se alimentar e para se vestir. Hoje já somos evoluídos o suficiente para fazer outras opções que incluam o respeito aos animais”, conclui Clélia.

“A Surya resolveu assumir a guarda desta família de vencedores, que preferiram correr o risco do desconhecido a permanecer no criadouro e se transformarem em presunto, bacon, feijoada entre outras coisas”, diz Rosana Tsibana, responsável pela Surya Solidária. A mamãe porca recebeu o nome de Surya, pela coragem, instinto protetor e acolhedor, e pelo amor à vida. Os filhotes terão seus nomes dados pelos colaboradores da Surya Brasil.
A Surya Solidária realiza outras ações em prol dos direitos animais, como as campanhas contra os maus-tratos a animais em circos e campanhas de adoção. Além de diversos outros projetos que tratam de sustentabilidade, respeito ao meio ambiente e trabalhos sociais de desenvolvimento de auto-estima e capacitação e geração de renda.



O que é Flexografia?

06/05/2010
Flexografia é um processo de impressão gráfica em que a fôrma, um clichê de borracha ou fotopolímero, é relevográfica. O sistema pode ser considerado como um “bisneto” do carimbo. Usa-se tintas líquidas altamente secativas, a base de água, solvente ou curadas por luz UV ou feixe de elétrons. Uma de suas virtudes é a flexibilidade para imprimir os mais variados suportes, de durezas e superfícies diferentes.
Não se sabe ao certo onde surgiu a Flexografia. Os ingleses dizem ter documentos comprovando que sua origem data do final do século XVIIII, pela sociedade Comercial Bibby, Barons & Sons Ltda. Já os registros históricos apontam o surgimento da flexografia nos Estados Unidos, no ano de 1860.
A tinta, que inicialmente era um corante a base de anilina dissolvida em álcool, desenvolveu-se em meados dos anos 50, assumindo o pigmento como elemento corante e agregando valor às exigências dos produtos impressos. De suas origens, a flexografia ainda guarda o nome “anilox”, alusão ao cilindro entintador que transferia suas tintas a base de anilina.
No início era chamado de “impressão com anilina”. Em 1952, no 14°Fórum do Instituto de Embalagens, foi realizada uma votação entre os fornecedores presentes, em que o processo passou a ser chamado de Flexografia.
Características do processo
Gravação das Fôrmas de Impressão

A flexografia é um processo de impressão direto caracterizado pelo emprego de uma fôrma relevográfica (isto significa que seus grafismos ou áreas de impressão estão em relevo) e resiliente, produzida na forma de chapas planas ou camisas (tubulares, para máquinas impressoras dotadas de mandris e sistema de ar comprimido, indicadas para trocas rápidas).
Historicamente, o primeiro processo “industrial” de obtenção da fôrma flexográfica foi o processo conhecido como “matriz negativa” – uma fôrma relevográfica de tipografia (clichê de zinco) era colocado numa prensa com plateaus aquecidos e altíssima pressão, juntamente com um material termo moldável: o baquelite, bastante utilizado na fabricação de cabos de panelas, por exemplo.
O resultado era uma matriz com as imagens em negativo, que voltavam à prensa aquecida, postas em contato com uma borracha.
Com o calor e a pressão, a borracha vulcanizava e as imagens negativas do baquelite invertiam-se em relevos na chapa de borracha.
As irregularidades e desuniformidades requeriam um processo de acabamento conhecido como retífica do clichê (aplicação de calços para compensar as diferenças de altura dos grafismos e contra-grafismos).
Antes deste processo, as fôrmas eram de borracha e entalhadas manualmente. Ainda hoje encontramos algumas empresas com o processo de entalhe manual para embalagens de papelão ondulado e impressões de traços simples.
Com o desenvolvimento do fotopolímero pela multinacional Dupont, a flexografia passou por uma mudança sem dúvida revolucionária: chapas com maior durabilidade, precisão e qualidade, aptas a serem gravadas com lineaturas superiores a 42 l/cm. O nome comercial do fotopolímero da Dupont – o “Cyrel” tornou-se sinônimo de chapas flexográficas, muito embora hoje exista uma miríade de marcas e fabricantes, como a japonesa Asahi, a alemã BASF (atual Flint), a americana MacDermid etc.
O fotopolímero, inicialmente gravado pelo processo de exposição com lâmpadas UV especiais também evoluiu bastante. A primeira geração constituía-se num processo analógico, com a exposição de um filme (fotolito) matte para a geração de uma imagem latente e a posterior revelação com percloroetileno e escovação. Aprimoramentos para aumentar a produtividade dos equipamentos (em especial, as processadoras) e tornar o processo mais amigável ao meio-ambiente levaram a Dupont ao desenvolvimento do processo térmico – o Cyrel Fast, que substitui os químicos e a escovação por uma manta especial e aquecida.
Surgiram também os equipamentos de gravação digital (geração 1), com fotopolímero especial dotado de uma máscara negra e cópia laser da imagem sobre a máscara, com a posterior revelação por ação ablativa (lavagem). Os pontos obtidos na tecnologia digital apresentam menor ganho de ponto quando pressionados na impressão, ombros mais verticalizados e frágeis.
A última tecnologia na gravação de fôrmas flexográficas são os sistemas de gravação direta a laser em camisas tubulares confeccionadas de fotopolímero (Cyrel Round) e diversos tipos de borrachas (elastômeros) especiais.
Mercado de atuação
A flexografia pode imprimir praticamente qualquer tipo suporte, e atua em diversos segmentos, desde a impressão em banda larga (embalagens) até a banda estreita (etiquetas e rótulos). Apesar de ter sido estigmatizada durante muitos anos como um processo de impressão de baixa qualidade, quando comparada à rotogravura, o avanço tecnológico da flexografia levou-a a um novo patamar de qualidade, tão boa quanto a impressão rotogravura ou offset, desde que sejam observados os inúmeros controles e monitoramento das variáveis durante o processo.

A importância da comunicação visual!

04/05/2010
A maioria das pessoas não sabem da importância da Comunicação Visual em nosso dia-a-dia. Mesmo tendo consciência dessa realidade, a Identidade Visual se mostra cada vez mais necessária como ferramenta de publicidade e notificação diversificada nos mais complexos segmentos sociais e comerciais.
Se por exemplo andarmos pelas ruas notaremos de forma precisa, as mais diversas sinalizações e anúncios dos mais diversos gêneros e tamanhos, estarão ao alcance de nossa visão e sentidos.
A comunicação visual dos rótulos garante os posicionamentos exacerbados, tornando certas marcas representantes de produto, em sua categoria.
O homem – usuário convive com estímulos exteriores que afetam os sentidos, induz no modo de pensar, de usar e de consumir. Com o reconhecimento do produto pelo rótulo, o usuário pode tornar tangível segurando a embalagem, cheirando e experimentando.
O reconhecimento do produto implica no contato visual ou mesmo no uso anterior.
O rótulo permite esse reconhecimento, a identidade visual com o rótulo do produto traz, informações sobre ingredientes ou composição,
finalidade do produto, modo de uso, além do aspecto informacional, o rótulo também agrega valores estéticos ao produto.
Sendo assim, as empresas têm tido mais consciência da importância destes novos meios de comunicar uma idéia e/ou uma marca e, portanto, investem cada vez mais nisto. Afinal, Comunicação Visual e Promoção são excelentes instrumentos de consolidação e renovação de sua imagem ou mesmo ótimas ferramentas de vendas e divulgação de produtos e serviços.